A regulação do Estado para proteger o pluralismo é “legítima e imperiosa”, afirma a Corte Interamericana