Observacom
Brasil

Provedores de internet conseguem sentença para não recolher a Condecine

A Associação Brasileira dos Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint) informou nesta terça-feira, 26, ter recebido da Justiça sentença favorável em ação que movia contra a Ancine. A entidade buscava que seus associados que optam pelo regime tributário do Simples Nacional ficassem isentos do pagamento da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine-Teles) até o julgamento final da ação. Dessa forma, a agência reguladora não poderá realizar qualquer restrição, impedimento, multa ou outros lançamentos tributários ligados à Condecine, informa a Abrint.

Segundo a Abrint, uma decisão liminar anterior já suspendia a cobrança e autuação de atuais e futuros associados. Com a nova decisão, apenas as empresas associadas no período em que o processo foi iniciado estão liberadas do pagamento do Condecine. Por conta disso, o diretor da associação, Basílio Perez, afirmou que a entidade recorrerá para que os provedores que entraram entre a liminar e a sentença, bem como para aquelas depois da decisão, também sejam contempladas.

Em 2016, a Abrint conseguiu uma liminar na Justiça do Distrito Federal suspendendo a cobrança da Condencine das empresas associadas e optantes pelo Simples Nacional. O argumento da entidade é baseado na Lei Complementar nº 123 de 2006, que estipula que empresas optantes pelo Simples são dispensadas das demais contribuições instituídas pela União.

Impacto pequeno

O impacto da liminar para o setor audiovisual não é tão relevante quanto seria caso a liminar se aplicasse às operadoras móveis. Isso porque, no caso dos serviços de banda larga dos ISPs, a cobrança da taxa de fiscalização sobre instalação e funcionamento (TFI e TFF) não se aplica sobre cada terminal, mas sim sobre a estação base licenciada, que no caso é como se fosse o centro de operação do provedor de acesso. Esse valor é de R$ 1,34 mil anuais referente à TFI (para novas estações) e R$ 442 para a TFF (taxa de funcionamento anual), e para a Condecine é de R$ 160 por ano, por estação. Nos serviços de banda larga fixa, uma mesma estação licenciada atende a toda uma área de cobertura e diversos clientes. No caso dos serviços móveis, cada celular conta como uma estação, o que gera valores astronômicos.

Tomado de: Tela Viva

Notas relacionadas

Canales de TV avanzan con la migración digital en Chile

Observacom

Karisma, FLIP y Comisión Colombiana de Juristas presentan recurso de inconstitucionalidad contra Ley TIC de Colombia

Observacom

Empresas tecnológicas declaran en Estados Unidos contra el impuesto digital de Francia

Observacom
... (en este espacio hay varias líneas de código de programación personalizado)