Observacom
Brasil

A censura privada de Google e Facebook sobre a imprensa não-hegemônica

‘O que fazer quando essas plataformas usam de seu poder para remover unilateralmente e tirar do ar o que consideram impróprio?’

Em tempos de avanço da censura estatal e do abuso de mecanismos de controle do governo sobre políticas públicas que deveriam promover o exercício da liberdade de expressão de grupos minoritários na sociedade, a garantia da circulação de ideias não hegemônicas no ambiente virtual se torna ainda mais relevante. Para a difusão de informações e de conteúdos jornalísticos, as plataformas digitais tem sido espaços fundamentais para se dialogar com um público historicamente alcançável no Brasil apenas por veículos de comunicação de massa como o rádio e a televisão.

Mas o que fazer quando essas plataformas, que globalmente já detêm poder suficiente para definir o potencial de circulação de qualquer conteúdo na Internet, usam de seu poder discricionário – baseado no que chamam de “padrões da comunidade” – para remover unilateralmente e tirar do ar o que, enquanto empresas privadas, consideram “impróprio”?

➤ Leia também:

O assunto tem preocupado acadêmicos, especialistas e organizações de defesa da liberdade de expressão em todo o mundo. Sem desconsiderar o volume gigantesco de vídeos, textos e imagens publicados diariamente nas redes e a importância de se estabelecer regras para a veiculação de determinados materiais que explicitamente violam direitos, muitos estudiosos tem questionado que limites as grandes plataformas digitais deveriam respeitar antes de remover informações e opiniões de suas páginas.

Num esforço de encontrar respostas democráticas para a questão, o Intervozes, em parceria com organizações da América Latina lideradas pelo Observacom – Observatório Latinoamericano de Regulação, Meios e Convegência, promove uma consulta pública sobre o tema, até 15 de outubro. O objetivo é desenvolver uma perspectiva regional para processos de moderação de conteúdo compatíveis com os padrões internacionais de direitos humanos.
Em meio a este debate, tivemos acesso a um caso envolvendo um veículo jornalístico brasileiro que apenas comprova a urgência desta discussão. Compartilhamos abaixo o manifesto da redação da “Ponte Jornalismo”, que retrata um problema ao qual todos nós, defensores da liberdade de expressão e de imprensa, estamos sujeitos. Ao debate, então.

Pelo fim da censura

A Ponte Jornalismo é um veículo independente, o único especializado na cobertura de Justiça e segurança pública a partir dos direitos humanos. Surgimos em 2014. Nesses cinco anos, denunciamos centenas de casos de torturas, assassinatos, prisões arbitrárias, espionagem ilegal e outras violações de direitos humanos, a maioria delas praticadas por agentes do Estado. Ajudamos a tirar da cadeia pelo menos quatro pessoas vítimas de acusações injustas. Mesmo assim, nunca deixamos de sofrer com a censura imposta por Google e Facebook, que atinge principalmente os veículos contra-hegemônicos.

Todos devem ter visto, no início do mês, a imagem de um jovem negro torturado no supermercado Ricoy, na zona sul de São Paulo, por seguranças de uma empresa ligada a um policial militar aposentado. A imagem é chocante, e por isso mesmo é importante. Foi a divulgação dessa imagem que levou à prisão dos dois responsáveis pelo crime e vem enriquecendo o debate sobre o racismo no Brasil.

Nós, da Ponte Jornalismo, conversamos com o jovem agredido e com seu irmão, e eles apoiaram a divulgação do vídeo com o objetivo de denunciar o crime praticado contra eles. Tomamos o cuidado de borrar a imagem do jovem. Mas, mesmo com todas essas precauções, tanto o YouTube quanto o Facebook removeram da nossa conta o vídeo que postamos mostrando essa violação, alegando que o mesmo violava “as diretrizes da comunidade”. O Twitter manteve o vídeo disponível.

Trata-se de uma censura feita com uma boa intenção: a de impedir a divulgação de vídeos que violem direitos. Mas continua a ser uma censura, e do pior tipo. Por quê? Elencamos aqui quatro razões:

1) É discriminatória: atinge com mais força os veículos menores. Para ficar no exemplo do jovem torturado, o mesmo vídeo que a Ponte foi obrigada a tirar do ar está até agora disponível no canal do YouTube no Estadão.

2) É estúpida: não sabe diferenciar vídeos que promovem violações de direitos daqueles que denunciam as violações. A Ponte já foi proibida de divulgar imagens em que um simpatizante do nazismo atacava um grupo de jovens: https://ponte.org/nazista-aplaudido/. A censura foi motivada pela mesma regra arbitrária e genérica de “violação das diretrizes da comunidade”.

Para não ficar só no nosso exemplo, o “Poder 360” também foi censurado ao publicar um vídeo que mostrava um discurso oficial de um senador contrário aos direitos humanos: https://www.poder360.com.br/midia/youtube-pune-canal-do-poder360-por-divulgar-video-de-senador-discursando/

3) É sumária: a censura é feita sem transparência nem explicações. Os canais de diálogo abertos por Google e Facebook para contestar suas ações de censura são ridículos. O Google, por exemplo, disponibiliza no YouTube apenas a possibilidade de enviar um texto de 200 caracteres (pouco mais de uma frase) contestando a remoção do conteúdo. Essa contestação só pode ser feita uma vez.

4) Tem consequências sérias: a censura de YouTube e Facebook consegue ser pior do que aquela que era praticada pelos censores da ditadura militar no interior das redações, porque não se limita a proibir a circulação de informação. Ela também pune. Já ficamos impedidos de fazer postagens no YouTube e tivemos a monetização de nossos vídeos retirada por conta do mesmo caso, que consideramos arbitrária. Imagine um censor que, além de proibir um jornal de publicar uma notícia, ainda o obrigasse a ficar uma semana sem publicar e o obrigasse a circular sem anúncios. É assim que o YouTube age.

O que fazer?

Consideramos muito positivo que Google e Facebook estejam dispostos a conversar e queiram ser parte da solução, não apenas do problema. Assim sendo, nossas sugestões para que as duas plataformas deixem de violar a liberdade de imprensa são duas:

– A criação de regras próprias para o conteúdo postado por veículos de mídia. O conteúdo noticioso precisa de um olhar atento, capaz de diferenciar apologia de denúncia, e não pode ser removido com base apenas em ação de algoritmos. O critério para definir quem é veículo de mídia, naturalmente, deve ser autodeclaratório: veículo de mídia é quem diz que é.

– A criação de um canal de comunicação real com os veículos de mídia para contestar possíveis remoções de conteúdo e penalidades impostas. Esse processo precisa ser feito com bases em regras claras, e tanto YouTube quanto Facebook precisam informar com clareza, transparência e agilidade por que removeram um conteúdo. E nós, como jornalistas, temos que ter o direito de contestar isso e de receber uma resposta a esse respeito. A título de comparação, recomendamos como modelo o sistema da Lei de Acesso à Informação no Brasil, em que é possível contestar informações negadas, saber por que foram negadas e recorrer.

Isso não costuma acontecer quando nossos conteúdos são removidos das redes sem explicações. Esperamos que isso não aconteça mais. Pelo fim da censura.

Ponte Jornalismo

... (en este espacio hay varias líneas de código de programación personalizado)